18/9/2019

Demitir na sexta-feira ou no retorno das férias

Série: Contratações e demissões

Demitir na sexta-feira ou no retorno das férias

Muitas pessoas têm dúvidas sobre o porquê não deve demitir um funcionário na sexta-feira ou, até mesmo, no retorno das suas férias. Essas dúvidas nem sempre são do ponto de vista jurídico, mas sim pensando no processo emocional que ocorre no momento da demissão.

Embora esse seja um tema recorrente, ainda acontece muito de chefes/líderes demitirem pessoas na sexta-feira, ou então, quando retornam das férias, o que é mais cruel ainda.

mulher, tristeza, demitida, demissão, carreira

Em primeiro lugar temos situações extremas que continuam acontecendo nas empresas:

• De um lado líderes que evitam ao máximo demitir, inclusive quando é necessário;

• Do outro lado líderes que demitem porque se sentem insatisfeitos com a falta de performance do profissional, sem ter acompanhado e desenvolvido sua equipe, muitas vezes acreditando que todo o processo é bastante óbvio e ele não precisa fazer uma parte do seu papel de liderança que é justamente desenvolver a equipe, acompanhar seu desenvolvimento e resultados, usando assim a demissão como um dos primeiros recursos.

Após o líder ter feito parte do papel que seu cargo exige – contido em se preocupar com o desenvolvimento da sua equipe, entendendo a maturidade para as atividades, o que precisa para ajustar possíveis gaps de conhecimento ou comportamentos, realizar mentoria ou propor treinamentos para o profissional, dar feedbacks claros sobre as necessidades de ajustes ou melhorias para que o profissional tenha ciência dos pontos em que está falhando –  se ainda assim houver necessidade de demitir, existem formas éticas e cuidadosas para fazer uma demissão.

Cuidados ao demitir um profissional:

dicas, demissão, líder, funcionário, homem

1. Não demitir um profissional na sexta-feira – pois o profissional terá o final de semana inteiro para ficar remoendo a dor de ser demitido, ao contrário de segunda-feira que pode usar a semana para se reorganizar e pensar em como seguirá em frente;

2. Não demitir um profissional quando retorna das férias – visto que é uma imensa crueldade permitir um profissional desfrutar das férias, muitas vezes se endividar com gastos em viagens e compras e depois perder sua fonte de renda, a qual estava contando para colocar sua vida financeira organizada novamente;

3. Não demitir as profissionais que retornam de licença-maternidade – geralmente quem é mãe compreende de 4 meses é um tempo bastante curto para poder deixar o filho por várias horas durante a semana, inclusive, reduzindo ou tirando do aleitamento materno (indicada pelos pediatras por 2 anos, sendo 6 meses amamentação exclusiva no peito), com uma logística nada simples para poder voltar ao trabalho, aumento considerável de gastos e, quando retorna se depara com o choque da perda do emprego.

Evitar esse tipo de demissão pode evitar criar medo nas outras profissionais que pretendem constituir família, mas também dá um respaldo para a profissional se estruturar nesse momento bastante sensível;

4. Nunca demitir por telegrama, e-mail, cartas, etc – A demissão deve ser feita pelo líder imediato, olhando nos olhos da pessoa, com respeito e ética profissional. Jamais friamente como se uma demissão não significasse nada;

5. Ser respeitoso ao falar sobre a demissão – por mais difícil que seja demitir, um líder precisa entender que é uma das atividades que faz parte do seu papel e deve se preparar para esse momento que geralmente é difícil. Mesmo que sinta raiva ou tenha motivos mais que suficientes para realizá-la, existe um ser humano do outro lado que merece ser respeitado, pois uma demissão é algo sempre muito delicado;

6. Explicar sobre os direitos do profissional no processo rescisório – Após anunciar a demissão e possíveis razões para que ela aconteça, o líder deve explicar sobre os benefícios que o profissional tem direito de receber e deve encaminhá-lo para o setor de Recursos Humanos (RH); Portanto, o líder deve ter o levantamento da situação do funcionário perante ao que diz respeito à parte jurídica.

7. Algo raro de se ver, mas não menos importante, na sequência efetuar diálogo com a equipe que continua, para esclarecer razões (preservando a imagem do profissional), esclarecendo dúvidas e evitando possíveis fantasias de que outros profissionais estejam em risco de demissão, seja por questões financeiras, reestruturação, etc. Quando os profissionais trabalham preocupados, consequentemente o rendimento é prejudicado, o que afeta nos resultados da própria empresa.

Talvez uma palavra que impere em um processo de demissão, para agir com ética e respeito, seja empatia, portanto, se coloque no lugar do outro e conduza de forma cautelosa, porém objetiva.

Diante de quaisquer cenários que exigem tomada de decisão, o líder deve sempre pensar de forma abrangente nos impactos diretos, bem como nos indiretos, mas que podem ser de longo prazo e com causa não identificada pelo próprio líder.

Revisão: Felipe Toazza Caldeira

Receba nossos posts por e-mail

Melhore sua vida profissional

Muito obrigada! Logo entraremos em contato.
Oops! Algo não funcionou como deveria, confira seus dados!
Nós odiamos lixo eletrônico, tanto quanto você.

Acompanhe:

Fale com a Daiane Cordeiro Coach em Curitiba pelo whatsappFacebook da Daiane Cordeiro Coaching & Training, Coach e Treinamentos focados em melhorar seus resultados em Curitiba e regiãoInstagram da Daiane Cordeiro Coach and Training Curitiba. Conheça o método que vai mudar sua vida profissional.Adicione a Daiane Cordeiro no seu linkedin e saiba todas nossas novidades.Adicione o canal da Daiane Cordeiro Coach em Curitiba
Grimpo Comunicação, atraia mais clientes através da internet. Criação de Sites, Marketing Digital e mais serviços pensados para aumentar seu faturamento.